sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Um brinde de Nathan de Castro

Senhora Solidão

                          Nathan de Castro

Senhora Solidão, aceite o abraço
deste poeta amigo e de um só tema.
Venha dançar comigo no compasso
descompassado e aflito do poema.

Valsando a madrugada, a vida passa
no ritmo envolvente das serestas.
senhora Solidão, permita a graça
deste velho bolero sem orquestras.

Dona de mim, eu quero esse perfume
e o ombro nu com cheiro de pecado.
Dois pra lá, dois pra cá, corpos em lume

incendiando a noite da cidade.
Senhora Solidão, não me acostume
na dança atrapalhada da saudade.


(Nathan produz sonetos aos cântaros. Este está inserto em
IDDI noites de sonetos & rabiscos
Scortecci Editora)

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Eterna jovem musa

Dema



O mundo passa,
A fila anda,
Eu fico.
Sobrevivo.
Ela aparece,
Também fica,
Vive,
Amadurece.
Bela sempre,
Em cultura cresce.
Silhueta estelar,
Alma gêmea,
Vê-la me
Rejuvenesce.
De século um quarto
Mensura o tempo
Em ordem a ocuparmos o espaço.
Pólos inversos,
Quais ímãs
Se atraem,
Se fundem
No semi-eterno
humano ser.
O coração põe palavras na boca,
A alma geme a angústia do tempo
Pudéssemos nascer novamente,
A solidão, louca,
Outras trilhas vagaria
E, dementes,
Os deuses tornariam
Perene
Um novo presente.
Ama, amém!!!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

A felicidade

Por muitos anos equivoquei-me quanto ao conceito de felicidade. Interpretando-a como a meta principal do ser humano, imaginava-a como um estado eterno de êxtase prazeroso. Hoje, todavia, entendo que este êxtase permanente consumiria todas as energias ou seria enfadonho tanto que deixaria de ser desejável.
Foi então que descobri que a felicidade não passa de momentos agradáveis que se sobrepõem à somatória daqueles desagradáveis.
Nesse sentido, com muita propriedade, a poetisa assim se manifesta:

 * * *
Felicidade
É acordar cedinho
é comer pão de queijo
é andar descalça
é tomar um banho e
me sentir perfumada
é queijo com goiabada
é almoço com pitada
de carinho de mãe
é ouvir minha música
preferida no volume alto
é andar no Parque do Sabiá
é ouvir o canto do sabiá
é tomar sol e beber
uma água de coco
é aquele sorvete preferido
no meio da praça
é criança brincando
é estar apaixonada
é respirar e estar viva
com o coração pulsando
de desejo para realizar
estas pequenas coisas...

E que pena que, em alguns
momentos, eu duvido
de sua existência.

* * * Lucilaine de Fátima em
"O Avesso do Ser"  (Assis Editora, 2010)

Ao que parece, a felicidade pode estar muito mais próxima de nós do que podíamos imaginar.

Parabens, Lucilaine, pela singeleza, propriedade e acerto em demonstrar por pequenos fatos o real conceito de felicidade.

(Dema)

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A sombra

Simples, preciso e bonito. Eis um poema de Lucilaine de Fátima, publicado em "Avesso do ser" pela Assis Editora.





A sombra

Sou a sombra
que quer fugir
e passar a ser sol

Sou a sombra
que não se contenta
em não brilhar

Sou a sombra
de uma vida e
quero ser o sol da minha.


....

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Lançamento

TARDE DE AUTÓGRAFOS


Finalmente, após longo período de espera, dia 17/08/2010, na cantina da Delegacia Fiscal Uberlândia, realizou-se o lançamento de dois livros "Preliminares - Processo Tributário Administrativo" e "Devaneios". de autoria de Ademar Inácio da Silva, titular deste site. Servidores (Fiscais, Gestores, demais Administrativos) da Delegacia Fiscal, da Delegacia Fiscal de Trânsito de Uberlândia, da Administração Fazendária de Uberlândia e do Gabinete da Superintendência Regional da Fazenda I Uberlândia compareceram maciçamente, a partir das 16:00 horas, para prestigiar o colega autor.

Na oportunidade, serviu-se farturendo lanche, o que ensejou o autor, em suas breves palavras, a rotular o evento de "Lanchamento".

Ademar sente-se imensamente grato aos colegas pelo comparecimento e prestigio demonstrado.

Assim descreve suas obras:


DEVANEIOS "Devaneios" é minha primeira obra publicada. Uma pequena realização pessoal que faz vir a lume as inquietações que muito me afligiram durante anos e, imagino, continuarão a me perseguir até o momento em que me colocarão em jazigo eterno.



Jamais foi proibido sonhar. Ainda que tivesse sido, não restaria prova a validar punição. Talvez "sonhar" seja sinônimo da liberdade sem limites. Nada a cercear.



"Devaneios" reúne alguns poemas produzidos ao longo da minha vida, desde a juventude, quando, nefelibata, buscava encontrar meu lugar ao sol. Os versos aqui insertos, leves, soltos, mas organizados e com raciocínio lógico, deixam transparecer sensibilidade a emoções e abordam temas existenciais contagiantes. Saúdam o amor, a vida e choram a solidão. Imagens saem do real e transcendem a vida, buscando refúgio em colo divino. A noção de efemeridade e a visão das contradições estão sempre presentes. O olhar crítico, a restrita sociabilidade e minha profunda reflexão existencialista são transparentes na maioria dos poemas aqui publicados.

_________________________________________________________________________

PRELIMINARES - Processo Tributário Administrativo do Estado de Minas Gerais. Mais um pequeno livro vem a lume, desta feita, um artigo na esfera do Processo Tributário Administrativo.



Muito embora o tema pareça uma sutileza no processo tributário administrativo mineiro, comporta certa relevância quando se toma em conta a relação fisco-contribuinte no Estado democrático. É importante que o contribuinte tenha noção clara quanto a quais decisões sobre matérias controversas de análise preliminar a exame de mérito estão ou não alcançadas pelo recurso de revisão a ser interposto para a câmara especial e, assim, possa melhor garantir seu amplo direito de defesa administrativa.



O Conselho de Contribuintes de Minas Gerais tem suas câmaras de julgamento constituídas por membros de representação paritária (Fazenda Pública e Entidades representativas dos contribuintes), sendo notória a lisura de suas decisões, bem como sua constante preocupação com a observância dos princípios norteadores do processo tributário administrativo.

Algumas decisões de mérito, não raro, fazem-se anteceder de outras, preliminares, que, por vezes, decretam a nulidade do próprio lançamento ou consubstanciam pressuposto para ingresso no exame da materialidade do feito fiscal. Determinadas matérias são de classificação crucial, a exemplo da decadência, cuja pronúncia enseja decisão de mérito, ou mesmo a desconsideração do ato ou negócio jurídico, que, se inacatada, torna natimorta a instauração da relação processual.

Clique sobre a foto e veja o álbum do evento




Veja entrevista na TV COLUNAS DO TRIÂNGULO:

PARTE I



PARTE II


PARTE III

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

As diferentes formas de se dar uma notícia

- Autor desconhecido



(Achei muito interessante o texto abaixo, publicado no Informativo "K entre nós", da Superintendência Regional da Fazenda I Uberlândia, numa colaboração da colega Elizabeth Paranhos de Sousa Silva – SRF/Uberlândia.

Como se trata de texto com autoria desconhecida, assim dito no Informativo, tomei a liberdade de aqui divulgá-lo, respeitando, contudo, a autoria de quem quer que tenha sido.)


Se a história de Chapeuzinho Vermelho fosse verdade, veja como ela seria contada na imprensa no Brasil.



Jornal Nacional

(William Bonner): 'Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem...'

(Fátima Bernardes): '...mas a atuação de um lenhador evitou a tragédia.'

Programa da Hebe

'...que gracinha, gente! Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?'

Cidade Alerta

(Datena): '...onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades?? A menina ia pra casa da vovozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público!! E foi devorada viva... um lobo, um lobo safado. Põe na tela, primo! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de ninguém, não!

Superpop

(Luciana Gimenez): 'Geeente! Eu tô aqui com a ex-mulher do lenhador e ela diz que ele é alcoólatra, agressivo e que não paga pensão aos filhos há mais de um ano. Abafa o caso!'

Globo Repórter

(Chamada do programa): 'Tara? Fetiche? Violência? O que leva alguém a comer, na mesma noite, uma idosa e uma adolescente? O Globo Repórter conversou com psicólogos, antropólogos e com amigos e parentes do Lobo, em busca da resposta. E uma revelação: casos semelhantes acontecem dentro dos próprios lares das vítimas, que silenciam por medo. Hoje, no Globo Repórter.'

Discovery Channel

Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver.

Revista Veja

Lula sabia das intenções do Lobo.

Revista Cláudia

Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho.

Revista Nova

Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama!

Revista: Isto É

Gravações revelam que lobo foi assessor de político influente.

Revista: Playboy

Ensaio fotográfico do mês seguinte: ' Veja o que só o lobo viu'.

Revista Vip

As 100 mais sexies - desvendamos a adolescente mais famosa do Brasil!

Revista G Magazine

(Ensaio com o lenhador) 'O lenhador mostra o machado'.

Revista Caras

(Ensaio fotográfico com a Chapeuzinho na semana seguinte): Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS: 'Até ser devorada, eu não dava valor pra muitas coisas na vida. Hoje, sou outra pessoa.'

Revista Superinteressante

Lobo Mau: mito ou verdade?

Revista Tititi

Lenhador e Chapeuzinho flagrados em clima romântico em jantar no Rio.

Folha de São Paulo

Legenda da foto: 'Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador'. Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

O Estado de São Paulo

Lobo que devorou menina seria filiado ao PT.

O Globo

Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT que matou um lobo para salvar menor de idade carente.

O Dia

Lenhador desempregado tem dia de herói

Extra

Promoção do mês: junte 20 selos mais 19,90 e troque por uma capa vermelha igual a da Chapeuzinho!

Meia hora

Lenhador passou o rodo e mandou lobo pedófilo pro saco!

O Povo

Sangue e tragédia na casa da vovó.

Correio da Bahia e TV Bahia

Menina usando um chapeuzinho vermelho é atacada por um lobo e não consegue atendimento em nenhum hospital do Estado. Governador não se manifesta.

...

domingo, 18 de julho de 2010

AFTA X CÂNCER

Repassando......Tomara que seja mesmo verdade!




Um médico italiano descobriu algo simples que considera a causa do câncer. Inicialmente banido da comunidade médica italiana, foi aplaudido de pé na Associação Americana contra o Câncer quando apresentou sua terapia. O médico observou que todo paciente de câncer tem aftas. Isso já era sabido da comunidade médica, mas sempre foi tratada como uma infecção oportunista por fungos - Candida albicans.

Esse médico achou muito estranho que todos os tipo de câncer tivessem essa característica, ou seja, vários são os tipos de tumores mas têm em comum o aparecimento das famosas aftas no paciente. Então, pode estar ocorrendo o contrário - pensou ele. A causa do câncer pode ser o fungo. E, para tratar esse fungo, usa-se o medicamento mais simples que a humanidade conhece: bicarbonato de sódio.Assim ele começou a tratar seus pacientes com bicarbonado de sódio, não apenas ingerível, mas metodicamente controlado sobre os tumores. Resultados surpreendentes começaram a acontecer. Tumores de pulmão, próstata e intestino desapareciam como num passe de mágica, junto com as Aftas.

Desta forma, muitíssimos pacientes de câncer foram curados e hoje comprovam com seus exames os resultados altamente positivos do tratamento. Lá estão os métodos utilizados para aplicação do bicarbonado de sódio sobre os tumores. Quaisquer tumores podem ser curados com esse tratamento simples e barato. Parece brincadeira, né?

Mas foi notícia nos EUA e nunca chegou por aqui. Bem que o livro de homeopatia recomenda tratar tumores com bórax,que é o remédio homeopático para aftas.Afinal, uma boa notícia em meio a tantas ruins.

De novo, a pergunta que não quer calar: por que a grande imprensa não dá a menor cobertura a isso? Nem na TV, nem nas rádios, nem nos grandes jornais... Absolutamente nada. Quem os proíbe de noticiar? O médico teve que construir um site, para divulgar o seu trabalho de curar o câncer (ou, pelo menos, várias das suas formas), usando apenas solução de bicarbonato de sódio a 20%. Imaginem! Bicarbonato de sódio, coisa que a gente encontra até no boteco da esquina.Neste endereço, o vídeo, onde o médico italiano mostra a evolução do tratamento até a

completa cura em 4 casos: Neste, o site em Português. Clicando-se nas bandeirinhas no alto da página, muda-se o idioma: seguinte forma: http://www.cancerfungus.com/


Repasse, gente. Milhares estão pela hora da morte por causa dessa doença.


Sonia Blancato Bessa

(Uma contribuição de Míriam Cunha)

sábado, 26 de junho de 2010

"Nossa Língua Portuguesa"

Ditados populares - Dicas do Professor Pasquale


“E a gente pensa que repete corretamente os “ditos populares”...
No popular se diz:
“Esse menino não pára quieto, parece que tem bichocarpinteiro.”
Minha grande dúvida na infância... mas que bicho é esse que é carpinteiro, um bicho pode ser carpinteiro?
Correto: “Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro.”
Tá aí a resposta para meu dilema de infância! Eu não sabia. E você?
“Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.”
Se a batata é uma raiz, ou seja, nasce enterrada, como ela se esparrama pelo chão se ela está embaixo dele?
Correto: “Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.”
“Cor de burro quando foge.”
Esse foi o pior de todos! Burro muda de cor quando foge? Qual cor ele fica? Porque ele muda de cor?
Correto: “Corro de burro quando foge!”
"Quem tem boca vai a Roma.”
Bom, esse eu entendia, de um modo errado, mas entendia! Pensava que quem sabia se comunicar ia a qualquer lugar!
Correto: “Quem tem boca vaia Roma.”
Isso mesmo, do verbo vaiar.
“Cuspido e escarrado” - quando alguém quer dizer que é muito parecido com outra pessoa.
Correto: “Esculpido em Carrara.”
Carrara é um tipo de mármore.
“Quem não tem cão, caça com gato.”
Entendia também, errado, mas entendia! Se não tem o cão para ajudar na caça o gato ajuda! Tudo bem que o gato só faz o que quer, mas vai que o bicho tá de bom humor!
Correto: “Quem não tem cão, caça como gato”, ou seja, sozinho!
Vai dizer que você falava corretamente todos esses?”


Colaboração: Reginalda Aparecida do Nascimento - Texto publicado no Informativo "K entre nós", da SRF Uberlândia

...

quarta-feira, 12 de maio de 2010

CAMINHOS DA APRENDIZAGEM

CAVALCANTI, Afonso de Sousa, Professor de Filosofia, Sociologia e Política Educacional Brasileira pela FAFIMAN e orientador do PROBIC. afonsoc3@hotmail.com

Resumo

Comunicação oral



Na escola ou fora dela, o orientador educacional trabalha entre a psicologia e a educação e, por isso, seu aconselhamento é chamado de psico pedagógico. A pesquisa quer promover a formação de profissionais competentes para atuar na orientação educacional, em realidades de educação escolar e não escolar, através de processos que estimulem a reflexão-ação-reflexão e conduzam os profissionais do magistério para uma educação com qualidade. Serão discutidos neste estudo os princípios e práticas da orientação educacional. O aprendiz, conduzido à escola, desde a mais tenra idade, vai aos poucos descobrindo que o sujeito aprende através da observação e da imitação. A observação depende da condução do espírito humano, que aos poucos estimula seus sentidos e se lança na execução de projetos. A orientação educacional é responsável pela implementação da construção do Projeto Político Pedagógico, promoção da integração e de meios necessários para que se estabeleçam os vínculos afetivos necessários ao ensino-aprendizagem, de forma a atender o aluno e a comunidade. A orientação educacional é um processo dinâmico, contínuo e sistemático, integrado em todo o currículo escolar e que percebe o aluno como um ser global que precisa ser desenvolvido nos aspectos físico, intelectual, social, moral, estético, político, educacional, religioso e profissional. Palavras-chave: Orientação. Estímulo. Descoberta.



Confira o texto na íntegra:
http://docs.google.com/Doc?docid=0AZmGjTA04EQXZGRqcWR2c2tfMTg4Y2RncGhkZzQ&hl=pt_BR

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Dia especial

Hoje é um dia especial para mim, Leonice e meus  filhos (Daniel, Karine e Camila).Katheriny foi-nos concedida em adoção. Ela é uma graça, uma dádiva divina. Dela cuidaremos como uma flor. Mesmo que venha ter algum espinho, há de enfeitar nossa família. Há de crescer, de fazer-se gente e gente feliz. Para isso contamos com a ajuda divina.


 Katheriny, seja bem-vinda!

domingo, 18 de abril de 2010

Cavalcanti faz 60 anos - II - Mensagem de Adilson Cunha

Na passagem dos 60 anos de Afonso Cavalcanti, Adilson Cunha, nosso companheiro e amigo, contatou o aniversariante, dirigindo-lhe as palavras abaixo. Como citou-me no texto, encaminhou-me o conteúdo da mensagem, que, mesmo sem lhe pedir autorização, tomei a liberdade de aqui divulgar. Mensagem de amizade, de companheirismo, recheada de sinceridade, presta-se a exemplo para muita gente.
Um abraço a ambos.

Ademar


Meu amigo Afonso de Souza Cavalcanti
Paz e Bem.
Saudações Franciscanas



Acabo de receber o seu livro intitulado “Caminhos da Vida: Passeio ou Ocupação Contínua em 60 Anos “.
De fácil linguagem, por isso posso lhe dizer: li-o numa passada. Comecei assim que recebi e terminei à noite, na escola. E como não podia ser diferente, rascunhei estas poucas linhas.
Você me levou a rememorar o meu tempo de criança e de juventude.
Levou-nos, antigos companheiros, a rever as nossas dificuldades e as nossas esperanças, as nossas conquistas e as nossas frustrações.
Nossa vida poderia ser bem diferente, mas foram os caminhos percorridos que hoje nos conduzem às vielas da existência e a gritar: venci.
Nestes dias, eu dizia para o Edélcio: “não vim para Aparecida pra me casar. Vim para atendera um chamado, como também não nasci para dar aulas,no entanto, faço isso há 33 anos.”
Gostaria de ter tempo ocioso para conversar com cada um de vocês, jogar conversa fora, rememorar os quatros anos de SRSA e, assim, mergulhando naquele passado, trazer à tona a riqueza que cada um tinha e tem. Entretanto, a vida segue e isso não está acontecendo. Já são passados 36 anos desde que nos separamos.
É interessante relembrar que os padres acreditavam em nossos tacos.
Há tempos, tive a oportunidade de conversar com o Dorivaldo, que me revelou coisas dantes não sabidas. E o Edélcio também. Numa mensagem, disse-me este, muito superficialmente, que quando chegamos, a nossa vocação adulta contrastou com a dele e de outros, vocações de crianças; e muitas outras coisas, que ora desimportam relatar.
Naquele tempo, tive problemas de adaptação. Chorava muito pelos cantos e não me era fácil adequar ao grupo. Havia colegas legais, mas também outros que queriam me ver longe dali. É bem verdade que tenho um temperamento difícil, mas eu precisava vencer. Nunca fui acostumado a estudar em demasia.
Falando do Ademar, eu sabia que ele havia passado por outro seminário, mas não que tivesse sido da Congregação dos Sagrados Corações. Conheci muitos integrantes desta instituição: Pe. Aloísio, Pe. Henrique, Pe. Jair, Ir. Ediberto e outros , inclusive alguns que faleceram e de cujos nomes não me recordo. O Pe. Délcio, que deixou o ministério... Cheguei a dar aulas para alguns seminaristas deles. Também não sabia do seu apelido “Tiné “, que havia perdido o “pá” e o “te” de Patinete.
Deus não escreve por linhas tortas, mas por linhas certas. A esperança não é a última que morre. Na verdade, ela não morre.
O Ademar disse que a turma era da pesada. Não porque eram obesos, mas porque eram excepcionais e expoentes: na música, nas letras, no teatro, no futebol.....E eu tive problemas em me adequar com essa cultura.
E quem não se lembra do Jandaia dando aulas de história dentro do próprio seminário? Quem sabe não foi lá que ganhou uns trocados para comprar o fusca amarelo. Deveria ser uma “brasília amarela”. Gostei da caminhoneta da Willis.
Numa das fotos, aparece o Marcelino. Sumiu ? E o Rosalvo Bispo ? Tinha um outro que ficou por pouco tempo, de cujo nome não me lembro. Tinha acabado de sair do exército.
Certa vez tirei o um dez numa redação. Victor Hugo pediu que fizéssemos uma intitulada “Perfil Psicológico de Um Professor”. Este foi o segundo na originalidade, porque quando cursava a Escola Normal, uma professora determinou a leitura de “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos. E qual foi o exercício? Falar do Nordeste, tendo como pano de fundo o conteúdo do livro.
Meu amigo Afonso, resta-me felicitá-lo pelos sessenta anos. E como o homem foi criado para viver 120 anos, você está só na metade. Parabéns. Viva Sto. Afonso. E que você possa viver e animar os lugares por onde anda. Que a Virgem de Aparecida cubra-o de bênçãos, e de igual modo aos seus. E ao Ademar, que se fez presente no seu livro, o nosso abraço. Inté mais.
Cunha.

sábado, 17 de abril de 2010

Professor Cavalcanti e seus 60 anos

Professor Afonso de Sousa Cavalcanti comemora seus 60 anos com lançamento de livro.

Afonso Cavalcanti muito nos tem brindado com textos e comentários que, com prazer, publicamos em nosso site( http://www.demaisilva.com.br/ ) e neste blog.


Sua pessoa, pela vida, sinonimiza idealismo, força de vontade, busca perene de saber e de interferência no grupo social de que participa.


Fomos colegas de seminário por vários anos em Aparecida do Norte/SP, quando iniciamos nossos primeiros cursos superiores e amigos até hoje.


Sua evolução cultural é por ele mesmo explicada no texto que segue.


Em março p.p., comemorou com amigos, no seu sítio Ligela, em Mandaguari/PR, seus 60 bem vividos anos. Missa de ação de graças e festejos, com lançamento de livro, marcaram o evento.


O livro lançado, capa abaixo, vem juntar-se à série de outros de sua autoria já publicados.


Parabéns ao amigo Professor. Que muitos anos se lhe estendam à frente para que continue sua jornada ativa e culturalmente fecunda.
(Dema)



O livro “CAMINHOS DA VIDA: PASSEIO OU OCUPAÇÃO CONTÍNUA EM 60 ANOS?”, de Afonso de Sousa Cavalcanti, é uma obra que o autor apresentou para indicar aos seus leitores que o escritor, ao exercitar a tarefa de escrever, torna-se leitor, escritor e excretor. Segundo Afonso, este livro foi fruto de prazer. Na condição de leitor e estudioso da história, buscou alguns dos mais significativos acontecimentos de cada década (partindo dos anos de 1950 e fechando em 2010), registrando, com eles sua história de vida.


Nascido em 1950, o Professor Afonso de Sousa Cavalcanti entrou para a história ainda sob os efeitos negativos da Segunda Grande Guerra Mundial. O interessante é que sofreu os efeitos positivos e negativos de vários fatos sociais, que segundo Émile Durkheim, nos trazem a exterioridade, a coercitividade e a generalidade. Ei-los:


a) em 1950 nasceu a televisão no Brasil. A princípio, telinha em preto e branco, depois tela grande e com imagem colorida. No início tudo era simples, a moralidade não permitia a exibição da sensualidade como a que hoje presenciamos;


b) a política demonstrou as eleições democráticas para governo do país e o desgoverno assentou a ditadura militar por 21 anos. As exigências populares trouxeram de volta as eleições democráticas. O voto popular nos apresentou Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luis Inácio da Silva, à frente do governo federal. Apesar da democracia, a mancha da corrupção ainda continua instalada das mais altas às mais baixas esferas da política;


c) nos esportes, os brasileiros choraram em 1950, pela derrota da copa para o Uruguai, mas sorriram em 1958, quando da conquista do primeiro título na Suécia; voltaram a abrir sorrisos largos, com a vitória do bicampeonato, em 1962, no Chile; depois festejaram o tricampeonato, no México, em 1970; 24 anos depois, em 1994, o Brasil ganhou o tetra em terras dos Estados Unidos da América; para finalizar e calar a boca de muitas seleções, em 2002, o Brasil trouxe o título do pentacampeonato mundial. Em 2010, nosso país partirá para o hexacampeonato;


c) na trajetória da Igreja Católica, seus fiéis viram a morte do papa Pio XII e aplaudiram a eleição do papa João XXIII; anos depois, em 1963, a Igreja chorou a morte de João XXIII e se alegrou com a eleição do papa Paulo VI, o papa do Concílio Vaticano II; em 1978, faleceu Paulo VI e foi nomeado papa João Paulo I, que permaneceu no pontificado por um mês apenas; ainda em 1978, foi eleito o papa João Paulo II, que fez um longo pontificado com dezenas de viagens pelo mundo inteiro; em 2005, o mundo assistiu a morte de João Paulo II e o conclave dos cardeais elegeu o papa Bento XVI;


d) a informática apresentou centenas de inovações e invenções, lançando computadores cada vez mais aperfeiçoados até os mais sofisticados modelos portáteis que nos servem de ferramentas de trabalho. As inovações com gravações e memórias evoluíram do disquete ao CD e DVD e inovações com o pendrive. Partiu da memória real dos microcomputadores e nos externou às energias dos satélites dando-nos de presente a Internet. Hoje navegamos em qualquer lugar, em tempo real e integral;


e) o mundo continuou fazendo guerras e os países mais desenvolvidos investiram em armamentos bélicos, criando máquinas sofisticadas que seguem pela terra, pelo mar e pelo ar, gerando mísseis, antimísseis, armas letais e cruéis. A ambição de alguns países viu na indústria bélica soluções econômicas e por isso houve dezenas de proposições de guerras. Eu diria que a entrada dos Estados Unidos no Oriente Médio, destruindo e enforcando Saddam Hussein foi uma das mais cruéis ações bélicas da humanidade;


e) a população mundial passou por enorme explosão demográfica, embora surgissem políticas públicas de controle desta explosão. O domínio tecnológico nas mãos dos grandes capitalistas organizou e modernizou as grandes cidades e nelas e para elas desenvolveram-se os mais sofisticados meios de transportes, comunicação e entretenimento.


O produtor deste livro refletiu a história da humanidade e com ela encaixou a sua história. Sendo filho de agricultor e colonizador do Norte do Paraná, tornou-se agricultor e cafeicultor e por isso, vivenciando a cafeicultura paranaense, este a incentiva e a constrói. Apesar de ser originário da zona rural paranaense, migrou-se para o vale do Paraíba Paulista e de 1969 a 1974 fez-se seminarista redentorista, diplomando-se em Estudos Sociais e Filosofia. Sentindo-se fora de casa, retornou ao estado do Paraná e ingressou na carreira do magistério, tornando-se professor do Ensino Fundamental e Médio, por mais de 30 anos consecutivos. Neste período foi também diretor. O referido professor não parou em sua carreira docente, apenas com suas graduações. Anos depois (1984-1985; 1991-1992 e 1994-1995), especializou-se em Educação Especial, Geografia Física e Pedagogia Religiosa. Com seu ingresso, em 1990, no ensino superior, mais precisamente na FAFIMAN, FACCAR e UNIPAR, seguiu carreira docente e buscou diplomas no Mestrado em Filosofia e Doutorado em Educação, Administração e Comunicação. Para completar sua carreira, graduou-se em Pedagogia. Como dizem alguns: o Professor Afonso não parou ainda, pois no momento está cursando História, já na sua fase final de curso.


O autor do livro, por ser agricultor e líder comunitário demonstrou em sua obra que a propriedade rural precisa ser cuidada com esmero e somente terá sucesso o agricultor que investir em tecnologia e transformar sua propriedade em uma empresa, de forma a cumprir a finalidade social da propriedade da terra, conforme preconiza a Constituição Federal de 1988: dando moradia, produzindo para sustentar os moradores e com sobras para a comercialização, gerando empregos e protegendo o meio ambiente. Ele vai mais longe e afirma que o trabalhador rural também precisa de lazer e de celebrações sociais, por isso a propriedade da terra pode ganhar uma nova estética com investimentos de lazer, recreação e descanso.


O presente livro contou com a participação especial de Ademar Inácio da Silva, João Batista Cavalcanti e Manoel Messias Cavalcanti. No final do livro, o autor acrescenta dois textos seus: o primeiro destaca a participação dos ex-seminaristas redentoristas na UNESER e o segundo retrata a importância do ato de ler, escrever e expor o que se escreve.






(Resumo elaborado por Afonso de Sousa Cavalcanti. Professor de Filosofia, Sociologia e Política Educacional Brasileira, na FAFIMAN, Mandaguari, Paraná).


Outras obras de Cavalcanti:


______________________________________________________________________________

quarta-feira, 31 de março de 2010

Sem a letra "a"

Observação: Este texto não contém a letra "A"


É possível sim.

Autor desconhecido.



Sem nenhum tropeço posso escrever o que quiser sem ele, pois rico é o português e fértil em recursos diversos, tudo isso permitindo mesmo o que de início, e somente de início, se pode ter como impossível. Pode-se dizer tudo, com sentido completo, mesmo sendo como se isto fosse mero ovo de Colombo.

Desde que se tente sem se pôr inibido pode muito bem o leitor empreender este belo exercício, dentro do nosso fecundo e peregrino dizer português, puríssimo instrumento dos nossos melhores escritores e mestres do verso, instrumento que nos legou monumentos dignos de eterno e honroso reconhecimento

Trechos difíceis se resolvem com sinônimos. Observe-se bem: é certo que, em se querendo esgrime-se sem limites com este divertimento instrutivo. Brinque-se mesmo com tudo. É um belíssimo esporte do intelecto, pois escrevemos o que quisermos sem o "E" ou sem o "I" ou sem o "O" e, conforme meu exclusivo desejo, escolherei outro, discorrendo livremente, por exemplo, sem o "P", "R" ou "F", o que quiser escolher, podemos, em corrente estilo, repetir um som sempre ou mesmo escrever sem verbos.

Com o concurso de termos escolhidos, isso pode ir longe, escrevendo-se todo um discurso, um conto ou um livro inteiro sobre o que o leitor melhor preferir. Porém mesmo sem o uso pernóstico dos termos difíceis, muito e muito se prossegue do mesmo modo, discorrendo sobre o objeto escolhido, sem impedimentos. Deploro sempre ver moços deste século inconscientemente esquecerem e oprimirem nosso português, hoje culto e belo, querendo substituí-lo pelo inglês. Por quê?

Cultivemos nosso polifônico e fecundo verbo, doce e melodioso, porém incisivo e forte, messe de luminosos estilos, voz de muitos povos, escrínio de belos versos e de imenso porte, ninho de cisnes e de condores.

Honremos o que é nosso, ó moços estudiosos, escritores e professores. Honremos o digníssimo modo de dizer que nos legou um povo humilde, porém viril e cheio de sentimentos estéticos, pugilo de heróis e de nobres descobridores de mundos novos.

Quem escreveu? Mistério...


sexta-feira, 26 de março de 2010

FAZENDA DA PINDAÍBA

Ana de Brito Pereira *

Terra querida e abençoada,
Onde minhas raízes eu plantei,
Onde fui muito feliz,
Colhendo a paz que sonhei...


Daquelas águas queridas,
Que rolavam por terra!
Águas alvas e mansas,
No córrego da Pindaíba.


Quando o sol despontava,
Os canarinhos a cantar,
Chamando suas companheiras,
Para juntos o rei saudar.


Também o pássaro preto,
Entoava sua linda melodia,
No poleiro cantava o galo,
Anunciando o novo dia.


Perto da minha janela,
Os pássaros cantavam, eu sorria
No galho da mexeriqueira,
Espalhando doce alegria.


O majestoso poeta sabiá,
No alto da laranjeira,
Entoava lindas canções,
Junto às suas companheiras.


Do paiol nunca esqueço,
Cheio de milho sempre foi,
Em uma varanda descansava,
O velho carro de boi.


De manhã bem cedinho,
Meu querido pai cangava os bois,
Alegre saía para o serviço,
Para voltar depois.


Gemendo a boiada saía,
O carro a cantar,
A linda cantiga eu ouvia,
Esperando meu pai chegar.


O som do seu berrante,
De longe a gente ouvia,
Nosso pai com a boiada,
Na estrada descia.


Também do ipê amarelo,
Aonde a gente se entretinha,
Brincando horas e horas,
Ali passávamos o dia.


Daquela varanda modesta,
Jamais consigo esquecer,
Minha querida mãe tecia,
Colchas para nos aquecer.


Ao pé da grande gameleira,
Testemunha de nossa felicidade,
De balanço brincávamos,
Oh... quanto sinto saudades.


A grande laranjeira,
Que tantos frutos deu,
Deixo com carinho,
Lembranças de um passado meu.


Na jabuticabeira do curral,
Cantava alegre o bem-te-vi,
Na sombra do bambuzal,
Arrulhava o juriti.


No curral mugia a vaca,
De lá relinchava o cavalo,
No chiqueiro roncava o porco,
À noite subia o doce orvalho.


Adeus velha morada,
Adeus córrego querido,
Adeus lindas mangueiras,
Adeus jenipapo amigo.


Adeus Pindaíba querida,
Que nunca mais esqueci,
Como perdi meus queridos pais,
Que muito, muito sofri.

* Ana de Brito Pereira é vovó de Rita,
o "amor do Daniel", meu filho, como
diria minha nenê mais nova, Kateriny


segunda-feira, 1 de março de 2010

Saudade

                                                       Dema


Nunca imaginei que algum dia
Sentiria saudades de ti.
Presente ausência, amargo sabor,
Denunciando existência d’amor.


Fel regurgitado de azia
Queimando-me o corpo e trazendo
Momentos de grande agonia,
Ou deixando-me a mente vazia.


Dor cruel que corrói minha essência,
Tal ou mais que a do parto sentida,
Rompe o cerne de minha existência,
Larga aberta na alma u’a ferida.


Bem ao certo, não sei que é saudade,
Se é prazer ou se é crueldade:
Se lembrança doce de quem fica,
Se ausência viva de quem parte .


Se a dor que oprime quem não fora
Pela ausência daquele que partira
Com lembranças enchendo noite em claro,
Questionando se a relação falira.


Se as boas lembranças tem quem fora
Quais de quando junto a quem ficara,
Se amargura que desde então fruída
Em temer por aquele que deixara.


A mim parece prazer doce lembrança,
Se traz consigo um quê de felicidade,
No entanto, quando na distância,
Se há dor, assim há de ser saudade.

                          ...........

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

PEDRINHA 2.010

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

VI RETIRO UNESER - PEDRINHAS - 2010

De 05 a 07 de fevereiro/10, a UNESER realizou mais um Retiro nas Pedrinhas, ao pé da serra da Mantiqueira. Ex-seminaristas, alguns acompanhados de suas esposas/filhos e/ou convidados, reuniram-se para celebrar a fraternidade e reviver/conhecer o espírito redentorista. O evento, de organização elegiável, contou com a presença sempre marcante do nosso diretor espiritual, o Pe. Libardi e teve como pregador o Pe. José Carlos Ferrari. Este, abordando a história bíblica de Jonas, procedeu a uma verdadeira exegese pragmática do conteúdo-referência, corajosamente ilustrada com passagens de sua própria vida. Ressaltou a importância do atendimento ao chamado divino a cada um de nós, demonstrando, pela reação do personagem bíblico, como costumamos agir diante da missão que o Senhor nos reservou. Ao final, sobressai a imagem do Deus misericordioso, que se sobrepõe ao nosso mesquinho conceito de justiça.
Um encontro memorável, sobremodo porque regado pela marcante presença divina, essa presença que se manifesta das formas  mais diversas.
Parabéns aos organizadores. Um abraço a todos os que lá estiveram.

Clique sobre a imagem abaixo para abrir o álbum. Nele, clicar sobre a foto para expandí-la.
VI RETIRO PEDRINHAS - 2010 - UNESER

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Se Deus está conosco, quem contra nós?

Edélcio continua sua luta para exterminar os nódulos indesejáveis. Cheio de vontade de viver, pleno de vida, muita fé e muita força. Tenho certeza de que Deus está com ele, sempre. Não deve ser fácil, para si e para os seus.
Edélcio, nós, antigos companheiros, estamos com você, unidos no mesmo desejo, na mesma fé, na mesma oração e na certeza de que em breve terá superado mais essa fase.

Conclamo os colaboradores e leitores a, comigo, torcerem e pedirem por você.

Você está no meio da galera, Veja.